Quarta-feira
20 de Junho de 2018 - 

Frente Parlamentar de Crimes Cibernéticos discute formas de combater delitos na internet

Especialistas e pesquisadores na área de tecnologia participaram da reunião da Frente Parlamentar de Combate aos Crimes Cibernéticos nesta quarta (11). O colegiado, que em encontros anteriores ouviu as experiências de juristas e representantes de órgãos públicos sobre o tema, debateu, hoje, as dificuldades e possibilidades científicas para se enfrentar os delitos promovidos na rede. Diretor do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), André Santos colocou o conhecimento gerado na instituição, por pesquisadores das mais persas áreas, à disposição da Frente Parlamentar. “Temos pessoas estudando redes sociais, influência de comportamento, criptografia, segurança da informação e outros temas que podem contribuir com o trabalho do grupo”, esclareceu. Carlos Sampaio falou em nome do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar), que cria produtos, serviços e negócios com tecnologias da informação e comunicação. Para ele, a ação mais efetiva para combater fake news e demais crimes cibernéticos é democratizar o conhecimento relativo ao meio digital. “As fake news estão atingindo mais diretamente a parcela da sociedade que tem pouco contato com tecnologia da informação. Assim, esses inpíduos acabam se tornando peões de um jogo em que outros traçam estratégias”, avalia. A opinião foi compartilhada pelo advogado e consultor independente na área de privacidade e proteção de dados pessoais, Marcílio Braz. O especialista analisou como as grandes empresas de tecnologia vêm explorando as informações que os usuários da internet disponibilizam ao navegar na rede mundial de computadores. “Esse jogo envolve interesses muito maiores do que podemos imaginar”, opinou. Coordenador do colegiado, o deputado Aluísio Lessa (PSB) voltou a afirmar que “a missão principal da frente é focar na ação educativa”. Para isso, além dos debates, o grupo parlamentar tem realizado visitas a órgãos e instituições relacionadas à tecnologia. O deputado anunciou que, nesta quinta (12), a frente conhecerá as instalações e o trabalho do Porto Digital, no Recife. Por fim, a presidente da Comissão de Direitos da Tecnologia e da Informação (CDTI) da OAB Pernambuco, Raquel Saraiva, criticou os recentes projetos de lei apresentados no Congresso Nacional, como o 8592/2017 e o 9931/2018, para tratar das fake news. “Percebemos que a maioria dessas proposições está buscando tratar a questão apenas no âmbito criminal, o que avalio como extremamente temerário”, opinou. Ela informou que a equipe da CDTI fez uma análise técnica dos projetos, e o relatório será apresentado em breve à frente.
11/04/2018 (00:00)
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.